Miúda e o guarda-chuva (teatro para crianças)

Postado em 2 de março de 2014

Foto: João Meirelles

O espetáculo infanto-juvenil “Miúda e o guarda-chuva” estreou em 2009, com subsídios do Edital Manoel Lopes Pontes e do Prêmio Funarte de Teatro Myriam Muniz. Inspirado no conto homônimo de Paula Lice, o espetáculo teve direção e dramaturgia assinadas em parceria por Paula Lice e Victor Cayres. Depois da estréia nos palcos, “Miúda e o guarda-chuva” ganhou versão para TV, produzida pela Santo Forte, com desenhos de Igor Souza e direção de Amadeu Alban e Jorge Alencar. O episódio-piloto de série de animação foi contemplado pelo ANIMATV e estreou na TV Cultura e na TV Brasil em janeiro de 2010. A animação foi selecionada para a mostra oficial do Festival Internacional du Film D’Animation de Annecy, o Animamundi (RJ, SP), o Animaí (BA), o Festival Internacional de Cinema Infantil (RJ) e o Animagem (PE), entre outros, e recebeu uma menção honrosa no Expotoons, Argentina. No segundo semestre de 2010, o espetáculo Miúda e o guarda-chuva foi o único infantil selecionado para participar do FIAC – Festival Internacional de Artes Cênicas da Bahia. Atualmente, Amadeu Albán, Igor Souza, Paula Lice e Victor Cayres se dedicam à produção do filme longa-metragem de animação “Miúda e o guarda-chuva”, através da Movioca e da Santo Forte, com recursos da Demanda Espontânea Secult/BA e estreia prevista para 2015.

Miúda alimenta diariamente sua planta carnívora com formigas. Estas, cansadas de serem comidas, arquitetam planos extraordinários para evitarem seu triste fim e tentam de diversas maneiras se comunicar com Miúda através de mensagens enigmáticas. É na tensão entre estes personagens que Miúda e o guarda-chuva sustenta a sua dramaticidade e se apropria de forma leve de temas como o amor, a solidão e as transformações humanas.

SOBRE A PEÇA

“A peça é louca, mas a peça é infantil, sim. Não só elas, mas quase todas as crianças ficaram e sorriram. Meu preconceitos adultos não podiam me deixar perceber o que naquela peça podia chamar a atenção das crianças. Mas a diversão pode ser introspectiva, porque não? Nos acostumamos a achar que alegria só pode ser a do carnaval, a das cores vibrantes, a da música alta, a do ritmo frenético, a das luzes fortes. Elas gostaram da peça. Elas perceberam a beleza da melancolia, a doçura da dor, a sutileza do texto, a discrição das sombras, o cuidados dos figurinos e a graça de Miúda, que olha para o chão, que não consegue ver, que mantém lembranças, que é melhor não ter.”

Mariana Machado de Sá

(Comentário escrito espontaneamente e pescado no blog “Vou e volto voando”)

FICHA TÉCNICA DA PEÇA

Texto e Direção – Paula Lice e Victor Cayres

Produção – Paula Lice e Victor Cayres

Trilha sonora e Direção Musical – Luciano Simas e Ronei Jorge

Elenco – Daniel Calibam, Laura Franco e Yoshi Aguiar

Cenografia – Yoshi Aguiar

Figurino – Miniusina de Criação

Iluminação e Maquiagem – Márcio Nonato

Compartilhe: