Parece Bolero (teatro)

Postado em 2 de março de 2014

Foto: Márcio Lima

PARECE BOLERO é um estudo do bolero como música, como dança e como drama. Maria da Graça surge crônica do coração com os pés sujos de breu. Quase fina, quase talentosa, quase orgânica e quase feliz. Gracinha quer ser cantora, dançarina, artista de televisão. Para enxergar Gracinha é preciso colorir os pontos das muitas histórias que ela deixa em aberto. Um retrato da década de 1950 revelado ontem. Gracinha é Mulher. Puro drama e melodrama. Aprendeu com as novelas. Uma declaração rasgada de amor para Gilberto, dançando com Iara, Betty e Malu.

O solo integra o projeto Um piano, o bolero e a galinha, contemplado com o Prêmio Funarte Myriam Muniz 2012, no qual se apresenta junto com mais dois solos que envolvem cena e comida: A arte de matar galinhas, de Igor Epifânio e L. recebe, de Jacyan Castilho.

FICHA TÉCNICA

Direção: René Guerra

Dramaturgia: Paula Lice, René Guerra e Camilo Fróes

Ator convidado: Fábio Ferreira

Figurino: Flora Rebollo

Costureira: Benê (Usina de Figurino)

Iluminação: Márcio Nonato

Músico: Camilo Fróes

Preparação Vocal: Manuela Rodrigues

Fotos: Matheus Rocha

Agradecimentos

Pedro Magalhães, Mariana David, Rodrigo Dourado, Saulo Moreira, Preta Portê Filmes, Clube Piratininga.

Compartilhe: